Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/04/2018

Mitos (273) - O capitalismo é o maior responsável pela degradação do ambiente

Que o capitalismo desde a revolução industrial tem causado danos ao ambiente parece inquestionável. Ainda assim, está longe de rivalizar com o socialismo real na sua versão soviética e maoista, como o demonstram a ex-URSS e a China que infligiram (e infligem) danos ao seu ambiente que não encontram paralelo nos países capitalistas. Entre parêntesis: ao contrário do socialismo real, o socialismo utópico está inocente a este respeito; os únicos danos que costuma infligir são ao cérebro dos seus prosélitos.

E antes do capitalismo e da revolução industrial seria o mundo um paraíso bucólico? Segundo a lengalenga na versão rousseauniana, no mundo pré-capitalista o homem e a natureza viviam em perfeita harmonia.


Pois parece que não. Há vários exemplos, e hoje cito o da Islândia que antes da chegada dos vikings no final do século IX tinha um quarto da sua superfície coberta por floresta e com o abate em grande escala de árvores para a construção de barcos e libertar terra para a agricultura que se seguiu ficou praticamente desflorestada. Apesar do esforço constante de reflorestação, iniciado com uma homérica tempestade de areia em 1882, a área coberta é ainda insignificante e ao ritmo actual estima-se que para atingir o objectivo de 5% da área total serão precisos 150 anos. (Fonte)

1 comentário:

Oscar Maximo disse...

A explicação está em 5 palavras: tanta gente a consumir tanto.