Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/09/2017

Vivemos num estado policial? (13) - Sim, vivemos. E talvez por isso os polícias nunca são suficientes

Outros casos de polícia: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11) e (12).

Recapitulando:

Segundo o relatório da OCDE divulgado em Fevereiro, Portugal «tem 432 polícias por 100 mil habitantes, um valor que torna a polícia portuguesa 36% mais bem equipada do que as polícias na média dos países europeus» (jornal Eco). Acrescente-se que na Europa só somos ultrapassados por Malta e a Irlanda do Norte.

Segundo os números divulgados pelo SOL há três anos, 10% dos então 21 mil polícias eram sindicalistas de 13 sindicatos diferentes e faltaram em 2013 23 mil dias por actividades sindicais. 600 dos 2.100 sindicalistas são dirigentes e cada um tem direito a 4 dias de folga por mês, os restantes 1.500 são delegados sindicais e podem ter 12 horas de folga por mês. As folgas não usadas acumulam-se como «créditos» para o mês seguinte. Dirigentes e delegados sindicais não podem ser transferidos de local de «trabalho» sem acordo expresso.

Não obstante,

Esta abundância de meios não impediu o MAI, o mesmo ministério que sempre se queixa de falta de meios e que falhou rotundamente no combate aos incêndios deste Verão, liderado pela ministra que chora, vai promover três concursos para a PSP e a GNR num total de 950 novos polícias em cima de 400 novos guardas prisionais que foram recrutados em Maio e começam a trabalhar em Novembro.

Sem comentários: