Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/09/2017

ACREDITE SE QUISER: Ti Celito, himselfie


«A passagem do Presidente da República de Portugal por Angola continua a dar que falar, já não por causa do mergulho na Ilha de Luanda, mas pela ruidosa reacção do público à sua presença na cerimónia de investidura de João Lourenço como Chefe de Estado. Para o canal português SIC Notícias, Marcelo Rebelo de Sousa foi vaiado, entendimento que não tardou a ser rebatido pelos internautas angolanos, e pelo próprio. (...)

Mencionado na etapa inicial do evento, quando se procedia à apresentação das figuras de Estado e de Governo que assistiam à tomada de posse, o Presidente luso foi aquele que suscitou a reacção mais audível da plateia, momento que inclui alguns assobios, noticiados pela imprensa lusa como vaias.

À boleia do canal televisivo SIC Notícias - que deixou de ser transmitido em Angola e tem sido acusado pela empresária Isabel dos Santos de mover uma campanha contra o poder angolano -, vários órgãos de comunicação portuguesa deram como certo que Marcelo Rebelo de Sousa foi apupado pelos angolanos.

A má leitura não demorou a "incendiar" as redes sociais, onde se têm multiplicado os apelos contra as "fake news".

"Em Angola o assobio é sinónimo de satisfação, agrado, ovação", lê-se num dos inúmeros comentários publicados do Facebook, em resposta às notícias, entretanto rectificadas para incluir essa explicação.

A rede social transformou-se, aliás, no barómetro mais visível da popularidade de Rebelo de Sousa em terras angolanas

Os angolanos, habituados a verem o ZéDu protegido por dezenas de seguranças, ficaram deslumbrados por ver o Ti Celito dos Afectos himselfie a tomar banho na ilha de Luanda e assobiaram-no, o que para eles é um aplauso. Por mim, quando terminar o mandato (esperemos que seja só um) podemos nomeá-lo embaixador honorário vitalício itinerante para as ex-colónias, perdão para a Lusofonia.

1 comentário:

PSC disse...

Este Sr., a cada dia que passa, envergonha Portugal de todas as maneiras e feitios. Não tem emenda!
Uma VERGONHA!