Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/09/2017

ARTIGO DEFUNTO: Jornalismo de "referência" é o jornalismo de causas adoptado pelo jornal que se diz de referência (4)

Continuação de (1), (2) e (3)


O recorte do lado esquerdo é da primeira página do caderno principal do semanário de reverência e dirige-se aos leitores que se ficam pelo título e aos leitores que lêem o texto e não fazem a menor ideia de que a notação que o título diz que «melhora» é uma coisa e o outlook ("perspectiva") é outra, sendo que no conjunto estes leitores provavelmente representam a maioria, e tenta subliminarmente convencê-los de mais uma realização do governo de Costa.

O recorte do lado direito é da segunda página do caderno de economia e dirige-se aos leitores distraídos e aos que procuram ver a confirmação dos prognósticos que lhes impingiram, sendo que no conjunto também estes leitores provavelmente representam a maioria. Esta "notícia" é ainda mais pornográfica do que a outra quando confrontada com outra imprensa menos alinhada que noticia ter a dívida em Julho aumentado 100 milhões atingindo 249,2 mil milhões de euros.

Até mesmo para os padrões de alinhamento do luso-jornalismo, o semanário de reverência está a exceder-se na manipulação. Enfim, talvez estejam a tentar reestruturar os 160 milhões de dívida bancária com um empréstimo de Caixa e a rezar para melhorar a cotação das acções que perderam 60% do seu valor durante o ano passado e mesmo depois do anúncio da vendas das revistas ainda estão 40% abaixo da cotação de Janeiro do ano passado. Moral da estória: é preciso ganhar dinheiro para pagar o preço da independência.

Sem comentários: