Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/07/2014

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: Martin Amis recorda Koba, o terrível (3)

Citando Robert Conquest («The Great Terror: Stalin’s Purges of the 1930s):

«Com efeito, entre 1 de Agosto de 1921 e 1 de Agosto de 1922, quinhentas mil toneladas de trigo foram efectivamente retiradas da Ucrânia para distribuir por outros lados.» Em toda a sua vida adulta Lenine foi um admirador da fome como «radicalizador» (e secularizador) do campesinato. E que outra coisa senão terror e fome poderia ter ele em mente quando, em 1922, avisou Kamenev: «É um grande erro pensar que a NEP acaba com o terror; teremos que voltar a recorrer ao terror e ao terror económico»? Portanto, uma vez mais, em 1933, Estaline apenas mostrava ser «O melhor discípulo de Lenine». A sua única novidade qua1itativa, à parte a purga do Partido, foi o julgamento fantoche. E podemos recordar o comentário de Soljenitsine ao julgamento «demonstrativo» dos Socialistas-Revolucionários, em 1922: Lenine «andava por perto».

«Koba the Dread: Laughter and the Twenty Million»

(Continua)

Sem comentários: