Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/07/2014

A atracção fatal entre a banca do regime e o poder (22) – Banqueiros de todos os regimes, literalmente

[Mais atracções fatais]

Ricardo Salgado, quando ainda nem sonhava vir a ser apeado do BES, corrigiu um jornalista, que lhe perguntava se o BES era o banco do regime, com um definitivo «o BES é um banco de todos os regimes».

Tinha razão, mas a boutade carece de actualização. Dados os acontecimentos recentes, onde está BES devemos ler Espírito Santo e onde está banco devemos pôr banqueiros. «Todos os regimes» continua perfeito a confirmarem-se os rumores da troca por uma participação no capital da Rioforte e da Espírito Santo International do papel comercial detido pela Petróleos da Venezuela, uma empresa estatal que é um dos instrumentos da política chávista. A ser assim, confirma-se ainda o entranhado pendor que o GES tem para os socialismos, incluindo o socialismo “revolucionário” bolivariano.

Quem sabe se o coronel Chávez ainda fará uma aparição sob a forma de pajarito ao Dr. Ricardo Salgado, que no mínimo terá um busto do defunto no seu gabinete.

Sem comentários: