Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/07/2014

ESTADO DE SÍTIO: «Um dilúvio de palavras num deserto de ideias»


Se em vez de um jornalismo de causas dominante, tivéssemos um jornalismo profissional e independente, se o PS tivesse, em vez de gente ansiosa por uma sinecura, militantes e simpatizantes medianamente inteligentes e razoavelmente autónomos, se Portugal tivesse, em vez do peso desmesurado de analfabetos funcionais, uma opinião pública esclarecida:
  1. A entrevista do Público a António Costa de ontem teria sido uma certidão de óbito e não um manifesto eleitoral recheado de lugares comuns e de contradições - «um dilúvio de palavras num deserto de ideias»; 
  2. Os socialistas começariam já a procurar um líder alternativo ao secretário-geral eleito e ao putativo secretário-geral ungido por Mário Soares, os artistas, a «intelligentsia» corporativa e as câmaras-de-eco do regime;
  3. António Costa teria perdido com aquela entrevista quaisquer hipóteses de vir a ser primeiro-ministro.

Sem comentários: