Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/06/2011

Estado empreendedor (48) – o aeroporto que só abre aos domingos

[Continuação de outras aterragens: aqui ,aqui, aqui e aqui]

O aeroporto de Beja poderia ser eleito o paradigma do investimento público. A estória já foi contada no (Im)pertinências várias vezes (ver os links acima) e à medida da passagem do tempo mais se aprofunda o buraco e quanto mais se aprofunda o buraco mais se insiste na abordagem Lockheed Tristar.

O Expresso deste fim de semana dedica uma página ao caso do aeroporto que só abre aos domingos, onde um check-in de 16 turistas num Embraer leva tanto tempo como o de 200 turistas num Airbus, onde os aviões de 49 lugares partem com 7 passageiros, onde nenhum turista dos poucos que chegam fica em hotéis da região e onde um «empresário» filosofa que «vai demorar anos e um investimento considerável em promoção» (efeito Lockheed Tristar).

Sem comentários: