Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/06/2011

Lost in translation (107) – pobretes mas alegretes, recomendou ele

Depois de ter dado um importante contributo durante 6 anos para a estagnação da economia portuguesa, o melhor dos piores pior dos melhores das Finanças da Zona Euro, dedica-se à filosofia e, baseado na sua experiência e nalgum recalcamento freudiano, perora aos africanos presentes na reunião anual do Banco Africano de Desenvolvimento: «importa ter presente que elevadas taxas de crescimento não são necessariamente sinónimo de desenvolvimento e muito menos de um desenvolvimento que seja sustentável».

[By the way, alguns dos africanos que escutaram o ministro dos défices em movimento perpétuo têm sido a salvação do comércio de luxo lisboeta]

Sem comentários: