Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/06/2011

Lost in translation (110) – Rigor? Já fizemos engenharia orçamental no passado. Voltaremos a fazê-lo no futuro, queria ele dizer (XXVI)

[Mais engenharias orçamentais: pesquisa Google]

Até ao lavar dos cestos ainda é vindima, diz o povo. No caso das trapalhadas orçamentais e contabilísticas do socratismo, o lavar dos cestos vai prolongar-se por anos. Vejamos algumas das últimas trapalhadas e engenharias orçamentais:
  • 165 mil euros de subsídios de compensação foram pagos a juízes mortos. Perguntas: o que é um subsídio de compensação? faz muita diferença para o funcionamento da justiça o juiz estar vivo ou morto?
  • O presidente e vogais da Comissão Nacional de Protecção de Dados receberam indevidamente mais de 180 mil euros desde 2006 por acumulação de pensões. Pergunta: o facto de ninguém ter dado por isso em 5 anos significa que estes dados estavam bem protegidos?
  • O Tribunal de contas identificou despesas irregulares num montante superior a 2,8 mil milhões de euros, que quase triplicaram relativamente a 2009. Pergunta: se o governo Sócrates se mantivesse até ao fim do mandato conseguiria que toda a despesa pública fosse irregular?
  • A execução orçamental dos 5 primeiros meses do ano apresentada pelo governo resulta uma redução  de quase 90% do défice. Perguntas: qual é a parte deste milagre que se deve a só terem sido contabilizados 13,9% dos juros orçamentados e 22,5% das despesas orçamentadas para o ano em 40% do tempo (5 em 12 meses) e ao prazo médio de pagamento ter aumentado de 89 para 123 dias? Como foi possível este milagre conviver com o aumento de 67% no crescimento da dívida pública relativamente a 2009? (contas de Tavares Moreira no 4R)

Sem comentários: