Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/06/2011

CASE STUDY: Dissecando a mente de um grande aldrabão

Logo se vê

«Os assobios a José Sócrates nas comemorações do 10 de Junho, no seu próprio distrito, conduziram-me irresistivelmente a um almoço que tivemos em 2003, no restaurante Pabe.

António Guterres demitira-se uns meses antes, Sócrates saíra com ele do Governo e Durão Barroso era na altura o primeiro-ministro.

Dizia-me então José Sócrates nesse almoço: «Na política não há gratidão. Veja o que aconteceu ao Guterres: deu o seu melhor pelo país e hoje tem toda a gente a atacá-lo. E vai acontecer o mesmo ao Durão Barroso. Por isso, a actividade política não está no meu horizonte. Vou para Londres tirar um mestrado, e nos próximos tempos dedicar-me-ei por inteiro à vida universitária».

Era uma revelação extraordinária e eu acreditei cegamente nela.

Como Sócrates não pediu segredo sobre o conteúdo da conversa, quando cheguei à redacção comuniquei as suas intenções à jornalista que tinha a seu cargo o acompanhamento do Partido Socialista (a Cristina Figueiredo), que retorquiu: «Não pense nisso! Toda a gente no círculo próximo de Sócrates sabe que ele está a preparar a candidatura à liderança. Está tudo pronto para que, quando o Ferro Rodrigues cair, ele avance».

Insisti.

Não era crível que, num encontro a sós, sem qualquer motivo aparente para não falar verdade, Sócrates me dissesse exactamente o contrário do que estava a planear fazer.

Fiquei, portanto, na minha - e a jornalista ficou na dela.

Mas era ela quem estava certa: passados uns meses, Ferro demitia-se da liderança do PS, Sócrates candidatava-se e ganhava com grande à-vontade. Seis meses depois seria primeiro-ministro.

Nunca, nos meus contactos com políticos, encontrei uma pessoa assim: que me tenha iludido tão completamente.

Mas, por ironia, Sócrates naquele almoço também antecipou o seu futuro.

Disse que ia afastar-se da política para não sofrer a ingratidão dos seus concidadãos - e no fim do seu reinado está a ouvir os apupos dos portugueses, entre os quais os da própria terra onde cresceu e se fez homem!

Seria duro - caso ele não estivesse preparado para isso.

Mas está, como todos os homens que se habituam a viver de expedientes e enganos.

Um companheiro de juventude de Sócrates contou-me recentemente histórias reveladoras a seu respeito.

Sempre foi desenrascado, chegava muitas vezes tarde ao emprego e saía cedo, e era adepto da teoria do 'logo se vê'.

Fazia e dizia o que mais lhe convinha fazer ou dizer em cada ocasião - e depois 'logo se veria' o modo de sair da enrascadela.

Como primeiro-ministro, também foi isso que sempre fez.

Dizia o que mais lhe interessava em cada momento, às vezes mentia, empurrava os problemas para a frente na certeza de que se resolveriam - e a verdade é que isso funcionou durante seis anos.

Recorde-se que, antes de subir ao poder, prometeu que não aumentava os impostos - e subiu-os logo que lá chegou; mais tarde baixou o IVA e aumentou os funcionários públicos em período eleitoral, deixou disparar o défice, acumulou dívida para além do limite do tolerável e adiou ao máximo o pedido de ajuda externa.

Apostou sempre no 'logo se vê'.

Só que chegou a um ponto em que se viu encurralado e sem margem para fugir por lado nenhum.

Outra revelação foi que Sócrates, em jovem, se alojava no hotel da sua própria terra.

Os pais estavam separados - e ele, em vez de ir para casa de um ou de outro (ou para casa de tios ou avós, como era hábito na época), instalava-se como grande senhor no hotel da vila, mostrando que nem todos são iguais.

E quando chegou à idade de conduzir comprou um Mercedes, em que se passeava pelas ruas do burgo e no qual ia em viagem ao estrangeiro, provocando a inveja dos que andavam a pé ou de bicicleta.

Estas pequenas histórias dão-nos um bom retrato do ainda primeiro-ministro e explicam muito do seu comportamento: exibicionista, desenrascado, pouco confiável, capaz de dizer uma coisa estando a planear fazer outra diferente.

Por outro lado, se Sócrates foi lúcido ao perceber que as carreiras políticas têm muitas vezes um final infeliz, não soube resistir ao apelo do poder e sofreu aquilo que dizia querer evitar.

O que me custa a entender é que uma pessoa com estas características tenha sido apoiada durante tanto tempo por tanta gente de bem.

Com excepção de Campos e Cunha e Freitas do Amaral, todos os seus ex-ministros o defenderam até ao fim, mesmo aqueles que foram maltratados, como Teixeira dos Santos, ou demitidos sumariamente, como Manuel Pinho e Correia de Campos.

Porquê?

Porque todos sabiam que, quando Sócrates caísse, o PS sairia do poder - e os lugarzinhos (ou lugarões) que Sócrates lhes oferecera ficariam em risco?

Será isto?

Será que as pessoas hoje já só se movem por interesses e por lugares?

P.S. - Noticiou-se que Sócrates vai para Paris estudar Filosofia. Esta notícia recordou-me a 'ida' para Londres em 2003, que acima descrevo. Alguém acredita que Sócrates ficará em Paris cinco anos sem ordenado? Para isso, precisaria de ter herdado uma fortuna ou de ter ganho nos últimos seis anos um vencimento que lhe tivesse permitido poupar murrito dinheiro. Até porque a vida em Paris é caríssima…»

António José Saraiva, no jornal SOL de 17-06-2011

Algumas reflexões que este artigo de António José Saraiva me suscita:

Como é possível um homem político como José Sócrates ter tido até ao fim uma apreciação positiva de uma percentagem significativa dos portugueses? Creio haver diferentes ordens de razões para três tipos de admiradores. A primeira, aplicável provavelmente à maioria, já foi várias vezes referida aqui no (Im)pertinências – como observou Sobrinho Simões, os portugueses têm uma secreta admiração pelos grandes aldrabões. A segunda é a admitida por Saraiva: a defesa de lugarzinhos (ou lugarões). A terceira é pura e simplesmente cegueira fundamentalista doutrinária – tal como os comunistas apoiaram cegamente José Estaline, ora negando as suas atrocidades, ora justificando-as como inevitáveis para a defesa do comunismo e o combate ao capitalismo, também este tipo de admiradores de Sócrates vê as mentiras, os golpes e as políticas desastrosas da criatura como inevitáveis para a defesa do «Estado Social» e o combate àquilo que chamam neo-liberalismo, ultra-liberalismo ou simplesmente liberalismo. Não lhes ocorrendo em nenhum momento que o «Estado Social» de que Sócrates fala está irremediavelmente falido, em boa parte em resultado das suas políticas, a maioria destes crentes terá de ser pateta, e nalguns casos, e eu conheço alguns, são patetas ilustrados.

Possivelmente os admiradores sobreviventes de José Sócrates classificarão estes e outros escritos críticos, nalguns casos demolidoramente críticos, do objecto da sua admiração como assassínios de carácter, uma expressão inventada, salvo erro, por um dos mestres de Sócrates – o inefável Guterres. Não é exacto, porque para haver assassínio teria de haver um carácter, manifestamente inexistente na criatura.

Interroga-se Saraiva sobre a impossibilidade de Sócrates viver em Paris sem ordenado. Esquece-se de outras impossibilidades financeiras ultrapassadas sem dificuldade pelo homem. E esquece-se dos serviços prestados ao complexo político-empresarial socialista, sem esquecer uma provável expectativa de serviços futuros.

Uma outra reflexão é a que respeita ao interesse público de certos aspectos da vida privada dos políticos e em relação a isso remeto para este post do Pertinente, que assino por baixo. E, finalmente, a última reflexão relaciona-se com a importância de compreender o passado para melhor prever e influenciar o futuro também aqui já tratado pelo Pertinente, dando como exemplo um hipotético regresso de um Sócrates branqueado pela filosofia parisiense. Logo se vê.

Sem comentários: