Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2008

CASE STUDY: os mitos da educação pública (3)

[Continuação de (1) e (2)]

A semana passada o Conselho Nacional de Educação recomendava ao governo o fim das reprovações até aos 12 anos. Esta semana o mesmo Conselho recomenda que as universidade passem a escolher os alunos porque considera o sistema de admissão baseada na classificação dos exames nacionais pouco adequado «à avaliação da capacidade de ingresso no ensino superior».
Se com a primeira recomendação o CNE dá um passo para anular a historicamente reduzida mobilidade social em Portugal, ajudando a manter na choldra os filhos da choldra, com a segunda o CNE remata a obra, assegurando que as universidades só por distracção admitam um ou outro filho da choldra. Não está em causa que as universidade privadas devam poder escolher os seus alunos. É duvidoso que as públicas o devam fazer, sem critérios objectivos e verificáveis. O que está em causa é que a primeira medida é socialmente nociva e, em conjugação com a segunda, socialmente discriminatória.

Sem comentários: