Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/11/2008

CASE STUDY: Alguns protagonistas do caso Banco Português de Negócios.


JOSÉ OLIVEIRA E COSTA
Actualmente: ?
No passado: fundador e presidente do BPN até recentemente, membro do lóbi aveirense do PSD, secretário de estado dos Assuntos Fiscais do 1.º governo de Cavaco Silva, de que era ministro das Finanças Miguel Cadilhe.

MIGUEL CADILHE
Actualmente: presidente demissionário do BPN; não conseguiu concluir o aumento de capital necessário para repor a solvência e acusa o governo de mentir quando este afirma que foi o Banco de Portugal que detectou as imparidades do BPN, segundo ele detectadas por auditorias internas por si mandadas fazer.
No passado: ministro das Finanças (o melhor, segundo os seus adeptos) de Cavaco Silva, presidente da API - Agência Portuguesa para o Investimento, candidato a presidente do Millenium bcp, eterna reserva para presidente do PSD.

RUI PEDRAS
Actualmente: administrador do BPN, convidado por Miguel Cadilhe com a oposição da CMVM que considerou haver potencial conflito de interesses.
No passado: vogal do Conselho Directivo da CMVM responsável pela supervisão dos fundos geridos pelo BPN, onde foi substituído por Carlos Ferreira Alves, antigo adjunto de Fernando Teixeira dos Santos quando secretário de estado do Tesouro e Finanças.

MANUEL DIAS LOUREIRO
Actualmente: administrador da holding que controla o BPN
No passado: várias vezes deputado, ex-secretário-geral e ex-vice-presidente do PSD, ministro da Administração Interna de Cavaco Silva e considerado seu homem de confiança, sócio de Roquete na «holding» Plêiade que foi vendida ao BPN e da qual Dias Loureiro ficou presidente, administrador da holding que controla o BPN.

RUI MACHETE
Actualmente: presidente da holding que controla o BPN e presidente da mesa do congresso do PSD.
No passado: várias vezes deputado do PSD, secretário de estado da Emigração, ministro de várias pastas em vários governos provisórios e constitucionais, administrador do Banco de Portugal, presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento.

FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA
Actualmente: presidente da CGD; a pedido de Miguel Cadilhe, concedeu no princípio de Outubro um empréstimo de 100 milhões ao BPN, para resolver problemas de liquidez; a CGD irá administrar o BPN até à sua extinção.
No passado: vice-presidente do PSD, ministro do Comércio e do Turismo de Cavaco Silva, administrador de várias empresas públicas e presidente da sucursal da CGD em Espanha.

FERNANDO TEIXEIRA DOS SANTOS
Actualmente: ministro das Finanças; anunciou há 2 dias a nacionalização do BPN.
No passado: secretário de estado do Tesouro e das Finanças de Sousa Franco no 1.º governo Guterres, presidente da CMVM, onde foi substituído por Carlos Tavares.

VÍTOR CONSTÂNCIO
Actualmente: governador do Banco de Portugal, instituição responsável pela supervisão da banca, que segundo Miguel Cadilhe não detectou nada e segundo Teixeira dos Santos «fez o que podia e devia ter feito».
No passado: administrador do BPI e da EDP, várias vezes secretário de estado dos governos provisórios e ministro das Finanças do governo PS-CDS, várias vezes deputado pelo PS e seu secretário-geral.

CARLOS TAVARES
Actualmente: presidente da CMVM, responsável pela supervisão de diversos fundos geridos pelo BPN.
No passado: trabalhou com Miguel Cadilhe no Gabinete de Estudos do BPA (banco posteriormente integrado no Millenium bcp) e foi seu assessor no ministério das Finanças e seu secretário de estado do Tesouro, presidente do BNU, administrador e vice-presidente da CGD, administrador do CISF (grupo BCP), vice-presidente Banco Totta nomeado por Champalimaud, banco posteriormente vendido ao Santander, vice-presidente do Santander Negócios, ministro da Economia do governo Durão Barroso.

Sem comentários: