Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/11/2008

CASE STUDY: A incompetência também ajudou (1)

Quando se ouve o coro de pitonisas pousadas nos delfos por esse mundo que se dedicam a adivinhar o passado da crise dos mercados financeiros (ganância, ganância, tralari tralará tralaró) dá vontade de perguntar: e a incompetência não contou?

Deve ter contado. E bastante, segundo se pode concluir dum estudo global que a IBM está realizar para compreender as meninges dos profissionais que trabalham nos serviços financeiros. O estudo, que só estará concluído em Março do próximo ano, e se baseia em entrevistas aos executivos médios e de topo dos serviços financeiros, já produziu algumas conclusões surpreendentes.

Nas palavras da líder da equipa da IBM que conduz o estudo, 80% dos financeiros «não fazem a menor ideia do que querem ser quando crescerem». Dito por outras palavras, não têm uma estratégia nem um modelo de negócio. Os restantes 20% só estão preocupados em sobreviver.

Outra conclusão, talvez menos surpreendente, é que não fazem igualmente a menor ideia do que os seus clientes esperam, sejam eles empresas, grande ou pequenas, ou o zé povinho. A IBM concluiu que se fizermos uma lista duma dúzia de coisas que os clientes mais valorizam ordenada por importância e a seguir invertermos a ordem, ficaremos mais perto da lista que os executivos financeiros prepararam.

A propósito de incompetência, imaginem-se os resultados da tendência, que está em curso um pouco por todo o mundo, de substituir os banqueiros pelos políticos ou, como pitorescamente escreveu o economista João César das Neves, pôr os coelhos a entregar mensagens, substituindo os pombos-correios dizimados pela gripe das aves.

[Ler mais aqui]

(Continua)

Sem comentários: