Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/11/2008

De que está à espera Vítor Constâncio para se demitir? (ACTUALIZADO)

«Não, não me parece» respondeu o secretário de estado do Tesouro e Finanças à pergunta «os casos BCP e BPN justificam alteração da legislação da supervisão e reforço de recursos?» Certamente o secretário de estado estaria a pensar nos 1.700 funcionários do BdeP. Se pensasse nos 60 técnicos (3,5% do total de funcionários) dedicados à missão principal do BdeP - supervisão - já deveria ter despedido o governador por gestão negligente, mesmo sem as falhas grosseiras na supervisão.

Se o BdeP tinha os instrumentos legais e os meios para fazer uma supervisão eficaz, como foi possível passar ao lado, durante vários anos, das irregularidades e dos problemas do Millenium bcp e do BPN? O que espera o ministro anexo? Que mais esqueletos saiam dos outros armários?

ADENDA:
Constâncio terá dito ontem durante a audição no parlamento que «num sistema de livre iniciativa, de economia de mercado, há fraudes, há corrupção». Podemos concluir, do facto de se ter referido expressamente a uma economia de mercado, que Constâncio acredita que não há fraudes nas economias de direcção central?

Sem comentários: