Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/11/2008

CASE STUDY: A estória da nacionalização do BNP deve estar mal contada.


[Continuação do post «Alguns protagonistas do caso Banco Português de Negócios»]

Porque não aceitou o governo negociar a proposta de Miguel Cadilhe de participar com 600 milhões de euros de acções preferenciais com «uma remuneração anual ao Estado a uma taxa superior à da dívida pública»?

Com 600 milhões o Estado ficaria com uma maioria de 2/3 do capital. Porquê não negociar o direito de voto que Cadilhe não propunha ou outras condições, mantendo os accionistas no barco? E porquê aprovar a correr a lei-quadro das nacionalizações «a reboque do decreto de nacionalização do BPN».

Sem comentários: