Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/11/2008

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (2) a escolha do secretário de estado

[Episódios anteriores (1)]

Hillary Clinton aceitou ontem o convite de Santo Obama para a secretaria de estado, depois de devidamente esclarecida sobre o seu papel à frente dos negócios estrangeiros, indício de que disporá da autonomia suficiente para instalar o seu avantajado ego no departamento de estado, sem mencionar o do seu marido Bill.

É mais um sinal - um bom sinal - que Obama está a fazer escolhas pragmáticas e realistas de políticos centristas fora da legião de seguidores lunáticos que o apoiou durante a campanha. Mas que dirão os fiéis esquerdizantes, sobretudo os europeus, da nomeação duma figura que, entre muitas outras coisas, diz acreditar (*) que «the market is the driving force behind our prosperity», votou a favor da intervenção no Iraque e não garante a retirada das tropas antes do final do primeiro mandato, diz que é uma «emphatic, unwavering supporter of Israel's safety and security», que em Abril deste ano ameaçou o Irão com a aniquilação nuclear se atacasse Israel com armas nucleares, cuja última posição acerca do embargo a Cuba é mantê-lo?

(*) A Wikipedia tem um bom resumo das «Political positions of Hillary Rodham Clinton».

Sem comentários: