Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/02/2018

Um dia como os outros na vida do estado sucial (35) - Conflito de interesses ou interesses em conflito?

Segundo comunicado da CT, «a RTP mantém há 3 anos como administrador, o proprietário de uma produtora e de um canal concorrente da própria empresa, o Dr. Nuno Artur Silva, dono da empresa “Produções Fictícias” e do “Canal Q”»

É certo que a CT da RTP, nem o esquerda.net que o cita, estão acima de qualquer suspeita em matéria de credibilidade. Contudo, o comunicado refere diversos factos e situações que apontam para o conflito de interesses entre as qualidades de administrador da RTP e de proprietário de empresas produtoras do Dr. Nuno Artur Silva que em sua defesa «tem alegado que a lei não o “obriga” a vender as “Produções Fictícias” desde que a RTP não mantenha com esta produtora quaisquer negócios». É o argumento clássico nesta matéria dos conflitos de interesse: não é ilegal.

Também tive algumas dúvidas até ter conhecimento do «abaixo-assinado enviado ao primeiro-ministro, ao ministro da Cultura, à administração da RTP e ao presidente do conselho geral independente da empresa pública de rádio e televisão» por «mais de 200 figuras da cultura e dos media (que) questionam saída de Nuno Artur Silva» muitas delas fornecedores de produtos da cóltura e, portanto, em situação de potencial conflito de interesses ao defenderem a permanência de outro fornecedor.

Uma vez mais se constata que no estado sucial português não há conflito de interesses. Há apenas  interesses em conflito.

Sem comentários: