Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/02/2018

CASE STUDY: Startups without venture capital it's a fraud

Com grande estrondo mediático, a Chic by Choice, uma startup de aluguer de vestidos de luxo, afundou-se ou, melhor, foi declarado o afundamento que já vinha pelo menos desde 2016, quando com uma facturação que não chegou a 300 mil euros teve prejuízos de um milhão de euros. Não vou contar a estória que está contada em vários sítios (por exemplo no Observador), sublinho apenas o facto burlesco de há 7 meses, já depois de afundada, as duas jovens empresárias da Chic by Choice foram incluídas pela Forbes nas 30 mais brilhantes da Europa. Imagino que tinham bons contactos.

A morte de um startup é um facto normalíssimo da vida empresarial porque a taxa de mortalidade é muito alta. No caso português, porém, suspeito que a taxa de mortalidade seja muito próxima de 100% e a morte ocorra subitamente quando acabam os subsídios e os dinheiros públicos, porque nos faltam os venture capitalists, isto é umas criaturas com dinheiro para investir e gosto pelo risco que fazem uma triagem das ideias e projectos que lhes são apresentados a apostam naqueles em que acreditam. Isto é, metem o seu dinheiro onde metem a sua boca.

No caso português, a maior parte do investimento é feito por fundos de dinheiros maioritariamente públicos. Por exemplo, no caso da Chic by Choice, foi a sociedade pública de capital de risco Portugal Ventures que financiou o projecto através do Fundo de Capital e Quase-Capital da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), uma espécie de banco de fomento inventado pelo governo PSD-CDS que até agora não fez nada de relevante.

O que faz a gente que habita estas entidades? Desde logo, é gente que nunca criou um posto de trabalho nem arriscou um cêntimo do seu dinheiro, cujos responsáveis se queixam de terem fundos disponíveis não utilizados e que medem o seu sucesso pelo dinheiro enterrado em projectos fantasiosos. Só pode acabar mal.

1 comentário:

Anónimo disse...

«Imagino que tinham bons contactos.»

Na linha horizontal, pelo menos.
Ou, então, está tudo bêbado.