Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/02/2018

Pro memoria (369) - O sucesso da actuação no sector financeiro

Na sua oração na conferência sobre o futuro da banca, Mário Centeno enfeitou-se com vários sucessos como o «crescimento mais sustentável das últimas décadas, (...) as exportações (que) cresceram quatro pontos percentuais acima do mercado, (...) 288 mil novos empregos (criados)».

Para além do próprio Centeno, do seu governo e dos opinion dealers encartados, até hoje ainda ninguém descobriu quais os contributos de Centeno e do governo a que pertence para esses sucessos.

O único «sucesso» em que as intervenções do governo tiveram algum impacto (resgate e venda do Banif ao Santander, recapitalização da Caixa, intervenções aleatórias no Novo Banco e nas alterações accionistas do BCP e BPI) foi nas palavras de Centeno «a actuação no sector financeiro, através de alterações legislativas e da promoção da coordenação entre agentes privados foi planeada e produziu os resultados esperados».

Tomemos nota para memória futura desta actuação à luz dos seus efeitos na saúde do sector financeiro.

Sem comentários: