Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/02/2018

Lost in translation (302) - O que ele disse e o que ele queria dizer, segundo o tradutor automático impertinente

«Afirmo, de forma peremptória, que estou de consciência totalmente tranquila. Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado. É, aliás, com enorme estupefacção que vejo o meu nome associado a este processo». (fonte)

Foram as palavras do presidente dos Lampiões em futebolês, palavras que vertemos para português padrão com a ajuda do nosso tradutor automático (um web bot de AI com machine learning baseada numa Neural Network com acesso a servidores de Big Data). Ficou assim:

«Se a minha consciência tivesse estados de alma seria presidente de uma ONG. Qualquer ilícito que tenha praticado não me pode ser imputado. Fiquei espantado por terem posto a merda na ventoinha. Perdeu-se o respeito.»

Sem comentários: