Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/02/2018

ACREDITE SE QUISER: O incentivo adequado

Desde os primeiros testes em 2000, os resultados dos estudantes americanos na avaliação do PISA (Programme for International Student Assessment) da OCDE têm sido medíocres, particularmente em matemática. Isso foi objecto de estudos variados e atribuído a causas variadas.

Num desses estudos («Measuring Student Success: The Role of Effort on the Test Itself»), publicado recentemente nos NBER (National Bureau of Economic Research) working papers, os autores americanos e chineses levaram a cabo uma experiência nalgumas escolas secundárias dos Estados Unidos e de Xangai, precisamente a cidade chinesa com o melhor score de matemática no PISA, para testar o efeito de um incentivo muito particular - o dinheiro - nos resultados de um teste de matemática com 25 problemas extraídos de um PISA .

Em todas as escolas onde o teste se realizou os alunos foram divididos em dois grupos. Aos alunos de um dos grupos foram dados envelopes com 25 dólares ou equivalente e a indicação que seria retirado um dólar por cada resposta errada; ao outro grupo foi apenas apresentado o teste sem qualquer incentivo.

Resultado: no grupo chinês o incentivo monetário não produziu resultados visíveis; nos alunos americanos o grupo incentivado com dólares melhorou a sua performance que correspondeu a uma subida do 36.º lugar no ranking em que o Estados Unidos se posicionaram no PISA de matemática para o 19.º.

Sem comentários: