Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/08/2011

DIÁRIO DE BORDO: Eu também não sou rico (2)

[Sequela de (1)]

No concurso em marcha de ideias para extrair mais dinheiro aos sujeitos passivos, a proposta mais ousada parece ser a de criar um imposto sobre o património das grandes fortunas. Foi uma ideia ressuscitada pelo também ressuscitado líder do PS, julgado falecido sem combate. Não certamente por acaso, foi logo apadrinhada pelo professor Cavaco Silva.

Há várias razões morais, políticas, económicas, financeiras e, em particular fiscais, para não a adoptar. Por agora, vou ficarmos pelas primeiras, cuja compreensão não requer competências técnicas e apenas pede uma mistura adequada de bom senso, sensibilidade e inteligência. Como é o caso da mistura habitual no bomba inteligente, mesmo ainda a acordar, onde se descarta a ideia como «impostos retroactivos ... (incidindo sobre) ... o património que já foi sujeito a imposto».

Sem comentários: