Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/06/2010

BREQUINGUE NIUZ: A fatia dourada pode azedar

A absoluta falta de liquidez e/ou o excessivo endividamento e/ou a vontade de facturar uma distribuição extraordinária de dividendos levaram quase ¾ dos accionistas a aprovar a proposta da Telefónica para compra da Vivo, vetada logo de seguida pelo governo usando os privilégios da golden-share.

Aposto singelo contra dobrado que no dia 8 de Julho o Tribunal Europeu vai considerar ilegal esses privilégios e César Alierta poderá aproveitar para fazer um desconto na sua proposta que agora foi rejeitada. Será uma boa punição para os accionistas portugueses da PT, quase todos uns lambe botas, sempre prontos a ir para a cama com o governo.

PS: Por falar em punição, quem deveria ser exemplarmente responsabilizado é «Zeinal Bava, Portugal Telecom’s chief executive, (who) had previously said the bid for Vivo was not a case where the “golden share” could be used».

Sem comentários: