Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/07/2010

DIÁRIO DE BORDO: Está a ser confrangedor

Foi confrangedor ouvir a narrativa empastelada e ver o entorpecido body language de Granadeiro à saída da AG da PT debatendo-se com as contradições entre o seu papel de serventuário de Sócrates, no caso TVI abundantemente demonstrado, e a sua representação do gestor pseudo-independente acabado de ser corneado pelo mesmo Sócrates. Não havia necessidade. Uma criatura com algumas competências, o melhor aluno do ano de não sei quantos, com currículo, com uma fortuna pessoal, prestar-se a estes serviços iníquos a uma personagem daquelas.

Foi confrangedor ver a decepção dos Espíritos aos sentirem-se também corneados, depois dum longo conúbio com os governos socialistas, debatendo-se entre a dissidência respeitosa e a ameaça da demissão de banqueiros do regime e agitando fantasmas de OPAs sobre a PT, fantasmas sem demora também replicados pela machina Ongoing e esperando o inevitável desfecho.

Foi confrangedor ver Paulo Portas a tentar um impossível convívio entre dúvidas sobre a excepcionalidade do veto e a sua admissão do princípio da intervenção do estado nas decisões de gestão dos accionistas, revelando o seu estatismo de direita populista e troglodita.

Foi constrangedor ver o coro de virgens pudicas da imprensa espanhola, clamando contra aquilo que na sombra ou às claras o governo e as empresas espanholas sempre fizeram.

Sem comentários: