Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/07/2010

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Começar tudo de novo

Secção Still crazy after all these years

A Lusa, à falta de notícias sobre novas prescrições para a crise pelo lado de Paul Krugman, Joseph Stiglitz et alia, inaugurou ontem oficialmente a silly season com a entrevista ao investidor, homem de artes, e agora também humorista, Joe Berardo. Berardo preconiza para a crise do endividamento português, «ao nível do Governo, das empresas e privados, nacionalizar tudo e começar tudo de novo». Não explicou se o Estado «nacionalizaria» também as dívidas das empresas e dos privados, nem como iria pagá-las (as próprias e as «nacionalizadas»). Não explicou igualmente se a sua colecção de arte armazenada no CCB seria também «nacionalizada».

Atribuem-se-lhe cinco bourbons por continuar igual a si próprio e cinco chateaubriands pela sua extraordinária receita.

Sem comentários: