Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/07/2010

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: Os objectivos e a estratégia

A adequação de uma estratégia aos objectivos avalia-se pelo grau em que essa estratégia permite atingir os objectivos. Os objectivos declarados dos governos socratinos têm sido a atracção do investimento estrangeiro e a defesa dos centros de decisão nacionais. Da estratégia seguida tem resultado «menos investimento estrangeiro, descapitalização relativa das empresas portuguesas, descapitalização dos empresários portugueses (Berardos e Finos), venda de empresas portuguesas a empresas espanholas (Somague, Totta) e brasileiras (Cimpor), paralisação da Caixa Geral de Depósitos (empenhada em salvar os Finos e os Berardos e a comprar a Compal) e entrada nas empresas do regime de gente pouco recomendável (Sonangol, Isabel dos Santos)».

O que podemos concluir sobre a adequação dessa estratégia? Podemos concluir que é adequada a dar emprego aos filhos de Jorge Sampaio, de António Guterres e de Marcelo Rebelo de Sousa, ao irmão de Santana Lopes, ao filho de Otelo Saraiva de Carvalho e à filha de Jardim Gonçalves, e a muitos familiares dos Espíritos, bem como a uma multidão de boys e de peões de brega como Rui Pedro Soares e o filho de Penedos.

Aditamento:

A estratégia também é adequada a encaminhar negócio para vários accionistas e empresas suas participadas que se encontram entre os maiores fornecedores à PT de bens e serviços. A renda gerada por estas vendas «fora de mercado» funciona como um dividendo extraordinário exclusivo de alguns accionistas.

Sem comentários: