Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/07/2010

Lost in translation (55) – Rigor? Já fizemos engenharia orçamental no passado. Voltaremos a fazê-lo no futuro, queria ele dizer (X)

Como aqui explica Tavares Moreira no Quarta República, parece ter terminado o milagre da redução dos juros nos 4 primeiros meses do ano em que a dívida pública e as taxas de juro aumentaram. Afinal «os encargos com juros no período de Janeiro a Junho sobem cerca de 2,2% em relação a igual período de 2009... depois de no mês anterior estarem a cair 25%».

Pergunta retórica de TM: «o que de extraordinário se terá passado em Junho para uma reviravolta desta dimensão?» Nada de especial, apenas engenharia orçamental vulgar de Lineu.

Nota: Este é o 10.º post da série «Já fizemos engenharia orçamental no passado». No primeiro citei HMV o ministro Silva Pereira «já o fizemos (reduzir o défice) uma vez, como é sabido, em muito pouco tempo, com o Governo anterior».

Sem comentários: