Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/08/2009

Lost in translation (4) – quando o princípio do fim da crise do grande líder é a continuação da mesma crise doméstica sem a crise internacional

«O Governo está num caminho seguro para sair de uma das mais graves crises da economia» disse o grande líder comentando o crescimento de 0,3% no 2.º trimestre, tão pindérico que até pode ser um erro das chamadas estimativas rápidas do INE. Escaldado com os vários anúncios do fim da crise pelo saudoso ministro Pinho, o grande líder conteve-se e, executando a release 2.0 inaugurada depois da derrota eleitoral nas europeias e ainda na versão beta, acrescentou o melhor do seu pensamento filosófico: «isto não é o fim da crise, mas sim o princípio do fim da crise».

Pelo sim, pelo não, é aconselhável olhar para os números do INE e, antes de deitar foguetes convém ter em conta que o crescimento de 0,3% é em cadeia relativamente ao trimestre anterior em que o PIB caiu 1,6%, e convém igualmente olhar para a queda homóloga de 3,7% prevista nas estimativas rápidas.

Sem comentários: