Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/08/2009

CASE STUDY: quem é o deus ex machina da Ongoing? (2)

Alguns factos e informações complementares interessantes a partir daqui (por indicação de AP). Fala-se pela primeira vez de Nuno Vasconcelos e da Ongoing com a OPA da Sonae sobre a PT. A Ongoing surge então, em 2006, como uma espécie de white knight caseira a salvar a PT das garras dos Azevedos, por conta e ordem de interesses vários liderados pelos incontornáveis Espíritos, eles próprios accionistas de referência da PT.

Entre 2006 e 2008, o BES financiou 187 milhões, mas foi o Millenium bcp que entrou com a fatia de leão - 387 milhões. A Ongoing tinha no ano passado um passivo superior a 830 milhões, dos quais 800 milhões dívidas à banca – além do BES e do Millenium bcp há mais bancos (pelo menos o Crédit Suisse, com a maior parte) a quem a Ongoing deve mais de 200 milhões. Mais de 70% do passivo de 800 milhões é de curto prazo.

Como explicar que uma banca tão prudente na gestão do risco de crédito, que chora cada tostão que empresta a uma PME, aposta 800 milhões num SPV (*) tão sólido como ar rarefeito?

(*) Special Purpose Vehicle. Isto sou eu a brincar com as palavras. Neste caso, o Special Purpose é precisamente o mistério a desvendar: o propósito do deus ex machina da Ongoing.

Sem comentários: