Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/08/2009

O (IM)PERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: a mim parece-me muito

«Assistimos recentemente à oferta de Raul Castro para uma aproximação aos EUA, correspondendo ás declarações de boa vontade do Presidente Obama. Mas terá que ser salvaguardada a gloriosa revolução, essa é indiscutível!

Leio ao acaso numa carta de um correspondente estrangeiro em Cuba.
Cuba é um país agrícola, mas importa 80% dos produtos alimentares que consome.
Os frutícolas estão em vias de acabar. Desde 2004 a colheita de citrinos reduziu-se de 51% as bananas 38%, outras frutas, 29%. Um economista escreveu no Granma, jornal oficial do Partido: ...deve-se em primeiro lugar á falita de estímulo dos produtores. E a seguir ao sistema estatal que permite deixar apodrecer nos campos as frutas colhidas pelos agricultores.
Também 50% das terras cultiváveis nas mãos do Estado permaneciam sem cultivar ...
Há dois anos o presidente Castro anunciou alterações estruturais e de conceito, e reformas práticas para aumentar a produtividade. O semanário Trabajadores acaba de fazer o balanço dessas medidas: de 1.691.000 ha do Estado por cultivar, 689.697 ha foram entregues a trabalhadores agrícolas e cooperativas. Destes, apenas 1/4 está em exploração ou semeados.
Outra importante medida anunciada não foi ainda posta em prática: o trabalhador ganhará mais quanto mais produzir!!!

Para 50 anos de revolução, parece-me muito pouco.
»

[Enviado por JARF]

Sem comentários: