Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/08/2009

Nos estádios do Mundial 2018 vai ser usada a engenharia financeira

Ainda não estão pagos os 10 estádios que o governo socialista de Guterres construiu com o dinheiro dos sujeitos passivos para o Euro 2004 e já a FPF se prepara para apresentar na candidatura ibérica ao Mundial de 2018 cinco estádios. Braga e Algarve que fazem parte do lote terão que ser ampliados para cumprirem requisitos da FIFA para o Mundial.

Quanto ao estádio do Algarve as câmaras de Loulé e Faro já fizeram saber que não têm dinheiro. Sem embargo, o presidente da primeira espera que se encontre uma «engenharia financeira para que o Algarve não fique fora do Mundial». Ao contrário, em Braga, capitaneada pelo recordista dos processos judiciais engenheiro financeiro Mesquita Machado, está tudo preparado.

Resta-nos a esperança que os espanhóis, que têm que apresentar 10 a 12 estádios, apresentem 15 a 17 e nos subcontratem o catering.

Novo termo para o Glossário: engenharia financeira.

Sem comentários: