Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/08/2009

Lost in translation (3) – quando o melhor do grande líder é do pior nos últimos 20 e tantos anos

«Está para nascer um primeiro-ministro que faça melhor no défice do que eu», disse José Sócrates um destes dias.

aqui se tinha desmistificado o auto-elogio do grande líder, sem grande soma de argumentos. Vou agora usar artilharia mais pesada, carregada com os obuses de Miguel Frasquilho aqui publicados.

Em 2005 o défice do OE expurgado do efeito do ciclo económico era segundo a CE de 6% do PIB. Quatro anos depois, o grande líder entregará a pasta ao seu sucessor com o défice em 6,2%. Se considerarmos o saldo primário, sem os juros da dívida pública (que durante o mandato deste governo estiveram ao nível mais baixo dos últimos 35 anos) e expurgado do efeito do ciclo económico, o melhor resultado de Sócrates, o défice de 0,9% em 2007 e 2008, é o pior resultado em todos os anos desde 1980, salvo 1981 e 1982 (governo AD), em 2000 e 2001 (governo Guterres).

Sem comentários: