Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/04/2005

DIÁRIO DE BORDO: a maiêutica do aborto (6)

Na sequência de (1), (2), (3), (4) e (5), continuando a fazer perguntas com respostas difíceis.

  • Supondo que a pergunta do referendo refere um limite de 10 ou 12 semanas, ou outro qualquer, não seria razoável que os eleitores tivessem acesso à informação que lhes permitisse distinguir entre um embrião e um pólipo? Por exemplo, imprimindo no boletim de voto uma foto dum embrião com a idade correspondente ao limite máximo proposto?

.........8 semanas..................................10 semanas

12 semanas

(mais informação aqui)

  • Supondo que o referendo aprova a despenalização dos abortos, deverá o Serviço Nacional de Saúde fazê-los gratuitamente ou com taxa moderadora?
  • Em qualquer caso, qual será a prioridade dos abortos praticados no SNS? Serão feitos nas urgências ou ficam na fila de espera das intervenções cirúrgicas?
  • Se o referendo rejeitar a alteração da lei do aborto, quando será o próximo referendo?
  • Se o aborto é eticamente aceitável para os seus defensores, porque usam o eufemismo «interrupção voluntária da gravidez»?

Sem comentários: