Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/04/2005

LA DONNA E UN ANIMALE STRAVAGANTE: Lasciate ogni speranza o voi che entrate

Depois de nos ter descrito as delícias da universidade de Berkeley, nos dois episódios anteriores das suas Crónicas Femininas na Única do Expresso, a escritora Inês Pedrosa mostra-nos neste último que não há bela sem senão. Os senões são, entre outros últimos resquícios do macho opressor que ainda existem por aquelas bandas, os estudantes suicidas «sempre do sexo masculino» .

Mas não desespereis. Há ainda esperança. Aliás, a «única esperança de sobrevivência para o sexo masculino»: «a filosofia feminista».

Permito-me discordar. A única esperança de sobrevivência para o sexo masculino é manter ao largo a filosofia feminista. Se o Senhor na sua infinita sabedoria, para uns, ou, para outros, o processo evolucionário durante milhões de anos de tentativas e erros, tivesse concluído que a indiferenciação dos géneros era a melhor solução para a espécie humana, certamente seríamos hoje caracóis hermafroditas.


macho ex-suicida convertido à filosofia feminista por uma assistente do doutor Mengele

Em boa hora o Impertinências, premonitoriamente, criou a área temática La Donna e un animale stravagante, para acolher estes deliciosos delírios.

Sem comentários: