Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2019

CASE STUDY: Um imenso Portugal (55) - Afinal Lula não é menos inocente do que Sócrates

[Outros imensos Portugais]

«O Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro anulou esta quinta-feira a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, alterando um entendimento adotado desde 2016, numa decisão que poderá levar à libertação do ex-Presidente Lula da Silva.

Com a decisão, réus condenados só poderão ser presos após o trânsito em julgado, ou seja, depois de esgotados todos os recursos. A única exceção será em caso de prisões preventivas decretadas.
» (Observador)

Por razões puramente processuais, é possível que Lula da Silva seja libertado, ficando a aguardar que sejam julgados todos os recursos que os seus advogados apresentaram. É claro que esta decisão do Supremo não inocenta Lula dos casos de corrupção em que os tribunais de primeira instância já julgaram, considerando-o culpado. Não inocenta mas é pretexto suficiente para a imprensa amiga dos dois lados do Atlântico tocar as trombetas da inocência.

É claro que nem um dos trombeteiros, todos sempre tão preocupados com os pobres e os humilhados, se perturba com o contraste de um paladino da justiça social tentar escapar às malhas dos tribunais acolitado por um batalhão de advogados de causas que protesta presunção de inocência ao mesmo tempo que milhares de pés rapados malham, com base na presunção de culpa, com os ossos nos antros de miséria e escolas de crime que são as prisões brasileiras.

1 comentário:

Ricardo disse...

Ou um imenso Brasil...resumindo,estamos num autêntico manicómio politico e judicial(não falemos agora do resto)de ambos os lado do Oceano.