Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/03/2010

O calote crescente

À míngua de poupança, as famílias endividaram-se à banca, o que reduziu ainda mais a poupança actual e reduzirá a poupança futura. Com a poupança evanescente, a banca também tem que se endividar para emprestar dinheiro às famílias para estas aumentarem o endividamento e assim garantirem que no futuro continuarão a não poupar e endividarem-se. É claro que, nestas condições, o funding dos bancos não pode fazer-se senão com o seu próprio endividamento ao sistema financeiro internacional. Em Dezembro os bancos portugueses financiaram-se junto do BCE em 16 mil milhões de euros ou 10% do PIN num só mês.

Sem comentários: