Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/06/2022

Novo Império do Meio, um gigante com pés de barro (4) - A engenharia social não costuma dar bons resultados, também na pandemia

Continuação de (1), (2) e (3)

Confinamento repressivo à força bruta numa Xangai com 25 milhões de habitantes há quase dois meses, com protestos populares impossíveis de esconder mesmo numa sociedade controlada pelos bonzos do PCC, uma situação semelhante em Pequim onde entrando não se pode sair e no total mais 200 milhões de chineses sujeitos a restrições mostraram o falhanço do supremo líder Xi Jinping como «comandante em chefe da guerra popular».

Uma estratégia errada ("Covid zero") para combater uma variante da Covid (Omicron) muito mais contagiosa e muito menos agressiva aprovada pela comissão permanente do Politburo que considerou que o aligeiramento das medidas que em todo o mundo foi adoptado levaria a um grande número de casos graves e de mortos. 

É claro que isso reflecte o receio de que a rede decrépita e insuficiente de hospitais chinesa soçobre perante o aumento dos internamentos (onde é que já vimos o mesmo?). É também a consciência do mau estado geral de saúde dos idosos e a consciência de que há mais de 100 milhões de idosos não vacinados.  E porquê? Porque, em vez usar os recursos disponíveis prioritariamente na vacinação, eles foram usados para fazer obsessivamente testes e também porque não foram usadas vacinas mais eficazes mRNA porque as disponíveis são fabricadas pelo decadente Ocidente. (fonte)

Nada disto é admitido porque o supremo líder camarada presidente Xi é infalível, sobretudo agora que se aproxima a sua nomeação para um terceiro mandato como chefe do PCC.

Sem comentários: