Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/06/2022

Dúvidas (337) - Entre a imperfeição das democracias e a perfeição das tiranias, o que escolher?

Era uma vez um@ comunista, mas poderia ser um@ esquerdista, um@ fundamentalista islâmic@, um@ ultranacionalista ou um@ antiglobalista, que um dia chega a sua casa e encontra a namorad@ / companheir@ / mulher / marido / espos@ na sua própria cama com um ser que menstrua/provid@ de pénis. Indignad@, sai de casa e vai manifestar-se em frente à embaixada americana.

As embaixadas americanas são dos poucos locais onde é possível um@ esquerdista partilhar o espaço de manifestação com direitistas, ainda que em dias diferentes (e diferentes ocupantes da Casa Branca). São como um lugar de peregrinação para as legiões de inimigos da liberdade.

2 comentários:

Bilder disse...

https://www.institutoliberal.org.br/blog/politica/o-globalismo-e-o-que-ele-esconde/?

Rodrigo Constantino fez uma feliz explicação da diferença entre globalismo e globalização. Em suma, a globalização é um fenômeno de conexão comercial entre países com economias pulsantes, abrindo, assim, a possibilidade da competição econômica e de transações comerciais a nível mundial; o globalismo, por sua vez, é um fenômeno político que parte do pressuposto do “vale tudo por poder”.
Não há erros em tal discrição do Constantino e como abordagem introdutória é de uma riqueza ímpar, mas creio ser necessário aprofundar algumas características históricas e filosóficas do globalismo para podermos, então, compreendê-lo em seus vieses políticos e como ele age na contemporaneidade.(mais no link acima exposto)

O Espartano disse...

A oposição entre democracia/tirania é uma falácia, e uma falsa questão. A História conta dezenas de séculos, dos quais só nos últimos 200 anos se poderá falar de "democracia", com boa vontade. E não consta que o resto do tempo fosse passado em tirania.