Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/09/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (104) - Em tempo de vírus (LXXXI)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Quando se pensava que o Dr. Costa já tinha atingido o limite do desaforo ele excedeu-se a si próprio

As eleições autárquicas mostraram um líder partidário voando baixinho sobre o país, usando o cargo de primeiro-ministro para prometer dinheiros dos contribuintes portugueses e europeus em cada freguesia e fazendo inveja a um soba do socialismo africano.

Quem se mete com o PS, leva, seguido de fazendo dos portugueses estúpidos, ou um primeiro-ministro que não sabe gerir a administração pública dá lições de gestão

No calor da campanha o Dr. Costa começou por vilipendiar o fecho da refinaria de Matosinhos, que tinha exaltado antes como um «enorme ganho» para o ambiente, ameaçou «dar uma lição» à Galp, participada pelo Estado sucial, e, face às reacções, acabou a insultar a inteligência dos portugueses (dos que têm alguma) com um manifesto no Avante da Sonae esclarecendo que «a pretendida “lição” não é mais do que a utilização do Fundo de Transição Justa e a aplicação da legislação para proteção dos trabalhadores e do futuro do território». Entretanto, foi desmentido pela Galp uma pretensa proposta que o governo teria feito (mas não fez) para a formação de trabalhadores.

É mau até para os padrões da escola socialista

Quando o Dr. Costa e o seu ministro da Educação entraram em funções tinham 1.668 mil alunos que eram ensinados por 121 mil professores. Cinco anos depois os alunos eram apenas 1.604 mil e os professores eram mais de 127 mil (fonte: Pordata) e, ainda assim, é dito que têm falta de professores 80% dos agrupamentos de escolas de Lisboa e 3 mil turmas em todo o país.

Já virámos a página da austeridade

Afinal, apesar de todas as ajudas abundantemente publicitadas pelo governo socialista, as famílias estiveram a perder rendimento disponível desde o segundo trimestre do ano passado e só começaram a recuperar no segundo trimestre deste ano.

De volta ao velho normal

Os portugueses parecem acreditar na prosperidade que o Dr. Costa lhes anuncia e já voltaram aos 5% de poupança confirmando serem os europeus que menos poupam e, em compensação, têm mais automóveis do que a média europeia para circular na segunda melhor infraestrutura rodoviária confiantes de que têm a quarta melhor cobertura por carregadores eléctricos.

Como não se fazem omeletes sem ovos, em Julho a dívida dos particulares aumentou ao ritmo mais elevado dos últimos doze anos.

Uma vez ou outra, um socialista distraído diz o que ele pensa ser a verdade

Desta vez foi o Dr. Brilhante Dias que disse «nós ganhámos com a covid-19. E ganhámos porquê? Porque Portugal foi um país que, tendo as suas dificuldades, enfrentou a covid-19 com bastante êxito.» Foi por isso vilipendiado por todos os quadrantes, sem razão porque a segunda parte da frase é verdadeira. O que se pode questionar é o «nós ganhámos», a não ser que ele se estivesse a referir ao PS.

Ineficiente, sempre. Ineficaz quando possível

O Dr. Costa e seu ministro da Defesa comandam uma marinha que tem dois submarinos e apenas um está operacional, cinco fragatas e apenas uma está operacional, e apesar disso não hesitaram a torrar 8 milhões numa lancha para a guarda-costeira tripulada por guardas da GNR que acabou encalhada na praia de Carcavelos com danos cuja reparação custará mais de 500 mil euros (dizem oficiais da Marinha).

Boa Nova

Face aos aumentos do preço da electricidade o governo anunciou pela voz do ministro do Ambiente e a imprensa cooperante trombeteou que o governo iria usar uma «almofada financeira» para impedir a subida no mercado regulado. Ninguém se lembrou que esclarecer que o mercado regulado da electricidade representa menos de 5% do consumo e que, em qualquer caso, a «almofada» não será financiada por nenhum mecenas mas por dinheiro retirado de outras rubricas do OE cujas receitas são impostos dos contribuintes.

Choque da realidade com a Boa Nova

A montanha do IVAucher do Dr. Siza pariu com grande esforço um rato: só 1% dos restaurantes e hotéis aderiram.

A EFACEC (Empresa Financeiramente Apoiada Continuamente (pelo) Estado Central) anda para ser vendida desde Julho do ano passado e não se sabe ao certo se e quando será. Certo é que precisará de mais 70 milhões do dinheiro dos contribuintes.

Take Another Plan

Parecia que já se sabia tudo que correra mal na TAP, mas não. Soube-se que existem milhares de voos vendidos e não realizados no montante total de 658 milhões de euros.

«Em defesa do SNS, sempre»

Um dos resultados da paixão socialista pelo SNS é haver menos de um quarto dos médicos disponíveis para trabalhar em regime de exclusividade.

«Estamos preparados»

Até Julho foram realizadas menos 9,4 milhões de consultas presenciais (46%) e menos 83 mil consultas ao domicílio (43%), o número de utentes sem médico de família ultrapassou um milhão (fonte) e em relação às doenças oncológicas ficaram por fazer o ano passado 450 mil rastreios a vários tipos de cancro. Desde então houve uma recuperação parcial mas, segundo a Ordem dos Médicos. isso só foi possível porque os «utentes não chegaram aos hospitais».

O Estado sucial como máquina de extorsão

O preço da geringonça que colocou o Dr. Costa no governo sem ganhar eleições nunca estará fechado enquanto permanecer em S. Bento. Para aprovar o OE2022 os comunistas já apresentaram várias contrapartidas em termos de alteração das leis laborais e da fiscalidade. Em relação a esta última, seja pelo fim ou pela limitação do englobamento de rendas e de rendimentos de capital, o resultado será mais um aumento da carga fiscal.

«Queda monumental»

Se a queda de 7,6% do PIB em 2020 já era monumental, agora que o INE corrigiu para 8,4% é quase abissal e foi a maior desde a grande recessão em 1928.

«Pagar a dívida é ideia de criança»

Em Junho o endividamento das empresas e das famílias aumentou 2 mil milhões de euros para 414 mil milhões de euros e o das empresas atingiu um máximo desde 2014.

Entretanto, enquanto o pau vai e vem folgam as costas e o IGCP fez uma operação de recompra e emissão de 514 milhões de OT prolongando maturidades de 2022 e 2024 para 2028 e 2034, respectivamente.

1 comentário:

Bilder disse...

"O que se pode questionar é o «nós ganhámos», a não ser que ele se estivesse a referir ao PS."---------------------Bem...elementar meu caro Watson.Descontando agora a camara de Lisboa e mais alguns municipios.