Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2012

Se a patrulha do politicamente correcto governasse o país, os espíritos livres seriam internados num gulag

Se, numa situação como a que Portugal atravessa de endividamento terminal e com o futuro que se antecipa de décadas para pagar a dívida até proporções sustentáveis, alguém dissesse «vamos ter que empobrecer muito, mas sobretudo vamos ter de reaprender a viver mais pobres … vivíamos muito acima daquilo que eram as nossas possibilidades … há uma necessidade permanente de consumo e de bens para uma satisfação das pessoas e que conduz à felicidade que não é real», qualquer criatura com bom senso e juízo concordaria - talvez deixando cair a felicidade que até nem vem para o caso.

Se houvesse dúvidas sobre se a patrulha do politicamente correcto que policia os mídia é composta por criaturas com bom senso e juízo, as dúvidas evaporar-se-iam ao saber das reacções e petições e insultos que visam declarações de Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar, na SIC-Notícias.

1 comentário:

Anónimo disse...

Bom título



tina