Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2012

DIÁRIO DE BORDO: 9 de Novembro de 1989…

… a queda do muro de Berlim, simbolicamente o princípio do colapso do império soviético e com ele o fim do mito do comunismo e dos amanhãs que cantam. Soterrados por esse colapso estão talvez mais de 50 milhões (*) de vítimas de purgas, perseguições, gulags, grandes saltos em frente, fomes devastadoras.


«Mr. Gorbachev, tear down this wall!», tinha dito Reagan dois anos antes, em 23 de Junho de 1987, do outro lado da Cortina de Ferro. Palavras que foram amplificadas pelos altifalantes da base de Brandenburg Gate perto do muro e ouvidas pelos berlinenses sob o jugo soviético.

(*) Foi um cálculo mental a olho por cento. O número andará perto do dobro corrige-me este comentário. Obrigado.

1 comentário:

Anónimo disse...

"50 milhões" ... multiplique por dois


The black book of communism
http://www.amazon.com/The-Black-Book-Communism-Repression/dp/0674076087

JEM