Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/11/2012

Carlos Moedas e a sua lápide

Já escrevi por várias vezes (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui) sobre a saga do aeroporto de Beja, uma obra de José Sócrates, que só abre aos domingos. Fiquei agora a saber pelo Público que «depois de um aeroporto sem aviões, Beja inaugura escola sem alunos», escola que não é bem uma escola é a 2.ª fase do edifício da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja, cujo projecto foi aprovado nos primeiros tempos de José Sócrates e agora concluído.

Como já se percebeu, o mausoléu vai ficar às moscas e passará a ser um «espaço do país» segundo o presidente da dita escola, o qual, diga-se em seu abono, não concordou com o elefante branco. O que deveria um governo sensato, alheio ao elefante, fazer na sua inauguração? Fugir dele a sete pés e mandar o chefe de repartição da escola descerrar uma placa do tipo «Aqui jaz um animal inventado pelo Eng. José Sócrates e o seu ministro da Inducação».

Em vez disso, apareceu na inauguração, a pretexto de ser da terra, Carlos Moedas, secretário de estado adjunto do primeiro-ministro, a descerrar uma lápide com o seu nome, ligando-se indelevelmente ao elefante e branqueando com a sua presença mais esta tumba para 6 milhões de euros.

Sem comentários: