Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2012

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (3)

«A Europa vai esfrangalhar-se, vem aí a guerra inevitavelmente… (por causa da) … destruição do estado social … (e da) … falta de solidariedade que está a haver na Europa», disse o «capitão de Abril» Coronel Vasco Lourenço.

É provável que a Europa se esfrangalhe. É pouco provável que venha aí a guerra, quanto mais inevitável. O «capitão de Abril» ainda não percebeu a diferença entre a Europa da segunda década do século 21, envelhecida, acomodada por décadas de conforto e bem-estar, liderada por care providers do tipo gerentes de clínica geriátrica, e a Europa de há 7 ou 8 décadas, empobrecida por uma guerra cruel 20 anos antes, electrizada por nacionalismos agressivos e inebriada por líderes carismáticos e visionários, risk takers. Só se cada país (rico) patrocinasse milícias islamitas como seus procuradores na guerra.

O futuro dos «capitães de Abril» é o passado.

Sem comentários: