Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/11/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (112) - A Passarola Afundada (IV)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Até no exercício da solidariedade o governo do Dr. Costa é incompetente

Primeiro, as trombetas do regime noticiaram o acolhimento de 26 futebolistas da selecção afegã em fuga do regime talibã. Decorridos 3 meses veio a saber-se que só 7 das raparigas são futebolistas e que a alegada treinadora afinal não o é, trabalha para uma organização americana que financia as operações de resgate e vive no Hotel Ritz. A estória foi desmontada pelo programa Sexta às 9 da RTP de Sandra Felgueiras, a mesma jornalista que já tinha sido alvo de censura pela directora amiga do Dr. Costa e, talvez não por acaso, parece estar em vias de saída para o Canal do CM.

A Transparência Internacional vê opacidade onde S. Ex.ª viu transparência

Há duas semanas S. Ex.ª pronunciou-se sobre tráfico na RCA por militares garantindo que o caso «não atinge minimamente o prestígio das Forças Armadas» e considerou que investigá-lo «só as prestigia em termos internacionais». Nem de propósito, segundo o Government Defence Integrity Index 2020 da Transparency International as FA portuguesas apresentam um alto risco de corrupção e situam-se no mesmo grupo da Albânia, Hungria, Botswana, Uganda entre outros. E não, isso não tem que ver com o escândalo dos diamantes, porque o período analisado foram os 12 meses terminados em Abril. Se fosse agora só poderia ser pior.

A tabuada do Dr. Leão não é a mesma da UTAO

O mês passado o Dr. Leão estimou em 40 mil milhões o impacto da pandemia na dívida pública, de onde se concluiria que os gastos totais teriam sido superiores a esse montante já que uma parte dos gastos com a pandemia teria sido financiada pelas receitas correntes. A UTAO pediu licença para discordar e estimou os gastos adicionais o ano passado em 3.800 milhões e este ano até Setembro em 5.120 mil milhões. Fica por explicar porque precisou o Dr. Leão de se endividar mais 40 mil milhões para gastar mais 9 mil milhões.

Take Another Plan

No próximo dia 10 de Dezembro o plano de reestruturação da TAP completa um ano de estadia em Bruxelas a aguardar aprovação. Receando que as más notícias caiam em cima das eleições, o Dr. Pedro Nuno, patrono da TAP e putativo sucessor-em-chefe do Dr. Costa, ruma a Bruxelas para tentar minimizar a inevitável perda de slots e diminuir a entrada de 250 milhões de capital privado, sendo que esta segunda é a parte mais fácil já que não se consegue ver um "privado" a enterrar dinheiro na múmia.

Enquanto o Dr. Pedro Nuno tenta que os contribuintes paguem os seus devaneios, a TAP vai tentando que os seus passageiros suportem a factura - os voos para a Madeira custam em média uns mil euros (veja-se o fact check do Avante da Sonae que é uma lição de jornalismo de ficção).

«Em defesa do SNS, sempre»

O colapso do SNS prossegue enquanto a Dr.ª Temida passeia pelo país a fazer o circuito das inaugurações. O Hospital Amadora-Sintra fecha a urgência a ambulâncias; bombeiros alertam para a situação caótica no Hospital de Vila Franca de Xira; o número de portugueses sem médico de família aumentou 100 mil este ano.

«Estamos preparados»

O processo de vacinação continua a patinar sem o Vice-Almirante e os objectivos de vacinar totalmente os mais idosos são cada vez mais obviamente inalcançáveis.

Alguns dados revelados pelo relatório Health at a Glance 2021 da OCDE mostram que o governo socialista estava completamente impreparado para enfrentar a pandemia: a segunda maior percentagem (34%) de pessoas que nos 12 meses da pandemia de 2020 a 2021 consideram não ter tido acesso aos cuidados de saúde necessários; a mais alta queda (28%) do número de consultas e internamentos de urgência; a mais alta queda (66%) das consultas presenciais.

Tornando escasso o que é relativamente abundante

Já escrevi várias vezes que o primeiro governo do Dr. Costa começou com 1.668 mil alunos e 121 mil professores e o segundo governo cinco anos depois têm menos 64 mil alunos e mais 6 mil professores e ainda assim, segundo a Fenprof, 20 a 30 mil alunos continuem sem aulas a pelo menos uma disciplina por falta de professores. Para fazer um pouco de luz sobre o mistério, convém recordar as baixas administrativas dos professores e as requisições para trabalho sindical e, last but not least, a multiplicação do número de disciplinas em resultado de um expediente da Fenprof para criar emprego e de outro expediente ideológico do berloquismo para endoutrinação juvenil.

Então não estamos a crescer mais do que a Óropa?

Em Setembro já tinham havido e em Novembro voltaram a haver celebrações de crescimento da economia face à UE. Todas as celebrações omitem um pequeno pormenor: o feito só foi possível porque no período de referência do ano passado, a economia portuguesa teve a maior ou uma das maiores quedas, quer em cadeia quer homóloga (ver aqui a estória explicada).

Choque da realidade com a Boa Nova

Os investimentos do Plano Ferrovia 2020 sucessivamente anunciado desde 2016 ficaram na esmagadora maioria por executar e o ministro do Planeamento vem agora garantir que serão executados no PT2030.

Quando um ministro da Economia fala do que não sabe

O Dr. Siza tem cada vez menos sizo e a demonstrá-lo disse pretender que as seguradoras invistam na «capitalização das nossas empresas» comprovando que não o impede de dizer baboseiras a ignorância das regras (chamadas Solvência II de representação das provisões técnicas) que penalizariam pesadamente as seguradoras que seguissem o seu conselho e as obrigariam a aumentos de capital.

Os amanhãs que cantam na Segurança Social

«Portugal é o país da União Europeia que, dentro das prestações sociais, mais gasta com pensões de velhice, representando mais de metade desta despesa» (Económico) Com o crescente envelhecimento da população temos garantida a crescente insustentabilidade da Segurança Social.

Nunca tão poucos pagaram para tantos

Com a subida do SMN para 705 euros, haverão mais 570 mil famílias isentas de IRS, ou seja de quase 50% das famílias que não pagam IRS passaremos para quase 60%.

De volta ao velho normal

O défice da balança comercial até ao final do 3.º trimestre aumentou em termos homólogos 559 milhões para 1.719 milhões de euros.

Ainda não é o mafarrico, mas já se sente o cheiro das brasas

Com a redução da compra de dívida pública pelo BCE que possibilitou a festa que tem sido o endividamento, Portugal ficará mais penalizado do que a Espanha. Entretanto, aproxima-se o fim das moratórias e fica-se a saber que mais de metade dos 76 mil milhões de crédito bancário activo está nos sectores mais afectados pela pandemia.

De volta à velha paixão socialista pela rodovia

Depois de esmifrar aos operadores 567 milhões de euros nos 200 dias de leilões do 5G, o governo decidiu ir torrar mais 143 milhões em projectos rodoviários. Serão saudades dos ministros deste governo que estiveram nos governos do Eng. Sócrates?

2 comentários:

Bilder disse...

Consta que já há pessoas(tipo novas fps25 abril anti-covidas)prontas para afundar toda a marinha portuguesa(não serão muitos navios) de forma a que o sr Vice-Al volte para chefe das vacinas.

Anónimo disse...

Como se diz: cada enxadada, sua minhoca.
O 'post' habitual das 2as-feiras é sempre um grande exemplo, além de ser exemplar.
Abraço,
grato pela boa disposição transmitida.