Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/06/2017

Vivemos num estado policial? (12) - Sim, vivemos. E talvez por isso os polícias nunca são suficientes

Outros casos de polícia: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10) e (11).

Recapitulando:

Segundo o relatório da OCDE divulgado em Fevereiro, Portugal «tem 432 polícias por 100 mil habitantes, um valor que torna a polícia portuguesa 36% mais bem equipada do que as polícias na média dos países europeus» (jornal Eco).

Segundo os números divulgados pelo SOL, 10% dos 21 mil polícias são sindicalistas de 13 sindicatos diferentes e faltaram em 2013 23 mil dias por actividades sindicais. 600 dos 2.100 sindicalistas são dirigentes e cada um tem direito a 4 dias de folga por mês, os restantes 1.500 são delegados sindicais e podem ter 12 horas de folga por mês. As folgas não usadas acumulam-se como «créditos» para o mês seguinte. Dirigentes e delegados sindicais não podem ser transferidos de local de «trabalho» sem acordo expresso.

Não obstante,

Esta aparente abundância de meios não impediu que, segundo o presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG) disse ao diário do regime, «em cada um dos três concelhos afectados pelo incêndio que há mais de uma semana matou 64 pessoas no centro do país (apenas existiam) dois homens e um carro patrulha».

Assim, a "estrada da morte" não foi cortada por “falta de meios”, titulou o diárioParêntesis: em que ficamos? Costa disse que a GNR lhe tinha dito que não cortaram a estrada «porque a ameaça naquele local surgiu de forma repentina e inusitada».

E porque só existiam dois homens e um carro patrulha? Segundo o presidente da APG porque, por exemplo, «o posto da GNR de Pedrógão Grande, que tem 15 militares, quando deveria ter o “dobro”. No fim-de-semana do incêndio, entre militares de folga e de férias, restavam dois agentes em patrulha e um no posto».

E se fossem o "dobro" quantos teríamos no fim de fim-de-semana do incêndio? Aí segundo a aritmética do presidente da APG teríamos quatro agentes em patrulha e dois no posto. Seria esse dispositivo suficiente para cortar N236?

Não, segundo um general de GNR ouvido pelo outro diário do regime que disse «para garantir o completo bloqueamento destes pontos seriam precisos 20 homens com viaturas, principalmente motos. Mas como se anda aos pares, seriam quase 15 patrulhas (5 motos e 10 carros), ou seja, 25 homens", »

Agora sim, estamos em condições de estimar o efectivo necessário no posto de Pedrógão Grande para bloquear a N236 naquele fim-de-semana fatídico: 75 agentes = 25 agentes x 15 agentes/5 agentes.

Não admira por isso que como confessou o presidente da APG «alguns militares estão a ter acompanhamento psicológico e estão mesmo de baixa, encontrando-se “tremendamente afectados” pelo que aconteceu».

Sem comentários: