Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/06/2017

ARTIGO DEFUNTO: A pobreza das crianças dos países ricos é a riqueza das crianças dos países pobres

Se há coisas que na melhor hipótese se prestam a mal-entendidos, e frequentemente a demagogia, é a pobreza e a riqueza. Como quando se confunde pobreza absoluta com pobreza relativa e se esquece que  o índice de pobreza relativa é muito mais uma medida da desigualdade de distribuição do rendimento do que uma medida da pobreza.

Inevitavelmente, o nevoeiro conceptual presta-se a simplificações demagógicas nos mídia, por vezes até inesperadamente em jornais como o Observador que para noticiar o relatório da UNICEF «The State of the World’s Children 2016: A fair chance for every child« recentemente publicado escolheu o título «20% das crianças em países ricos vivem em pobreza».

Fonte: Rankings by Country of Average Monthly Net Salary (After Tax) (Salaries And Financing)

Sendo considerada em situação de pobreza relativa uma família cujos rendimentos são 60% inferiores ao salário médio nacional, qual é o sentido de comparar uma família pobre nas ilhas Bermudas com um rendimento mensal de 2.700 euros com o de uma família pobre na Venezuela com um rendimento mensal de 17 euros. En passant, note-se que o rendimento médio num território capitalista como as Bermudas (4.638 euros) é 162 vezes maior do que num país socialista como a Venezuela (28,65 euros). Se não quisermos exemplos tão extremos, consideremos dois países europeus como a Suíça (4.420 euros) e a Albânia (260 euros). Se ainda assim for demasiado, compare-se o salário médio da Alemanha (2.158 euros) com o de Portugal (818 euros).

Para citar um livro recente sobre o mau uso das estatísticas, diria que comparar uma criança pobre em Portugal, para não ir mais longe, com uma criança pobre no Uganda, é assim como dizer que os seres humanos têm em média um testículo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Já agora... também em média têm só um ovário...