Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/06/2017

Chávez & Chávez, Sucessores (57) - Ponto de situação

Outras obras do chávismo.

Vamos na 11.ª semana consecutiva de manifestações contra o governo socialista do herdeiro de Chávez, durante as quais 70 pessoas foram mortas e vários milhares foram feridas. Além da eliminação das liberdades, Maduro está a destruir o que resta da economia venezuelana que enfrenta uma inflação de três dígitos, a maior recessão do mundo e a falta absoluta de bens essenciais. Entretanto, Maduro pretende acabar com o que resta das instituições legítimas e montar uma assembleia constituinte que aprove uma nova constituição que garanta a perenidade do regime chávista.

Registo que uma das manas Mortágua se distanciou das obras do chávismo escrevendo um artigo com o título ternurento «Venezuela meu amor», talvez inspirado no "Hiroshima Meu Amor" de Marguerite Duras e na devastação que o Little Boy lançada do B-29  Enola Gay infligiu a Hiroshima, devastação que o chávismo está a levar a cabo à escala de um país.

Escreveu Joana Mortágua, dando uma bicada aos comunistas que continuam a incensar o chávismo; «A esquerda de que faço parte nunca foi ambígua sobre a condenação de regimes que oprimem o povo e sufocam a democracia. Isso vale para Angola e para o regime venezuelano. Não sei exactamente qual a esquerda de que faz parte Joana Mortágua, mas não recordo ter o Bloco de Esquerda condenado o regime chávista.

2 comentários:

Anónimo disse...

"A esquerda de que faço parte nunca foi ambígua sobre a condenação"

Os palhaços do BE afastaram-se de Chavez quando da acampada (Rossio), palhaçada destinada a apresentar trabalho ao Foro de S. Paulo para efeitos de entrada no rol do financiamento a organizações "progressistas".

A Venezuela não avançou (o Brasil já estava por conta do PS do 44) e o BE amuou.

Unknown disse...

As prolíficas redacçõezinhas ( monotemáticas) do gang Deathwater...