Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/12/2004

CASE STUDY: Reflexões aleatórias sobre o contrabando orçamental - (1) Eu não estou alarmado

«How can a nation survive when a majority of its citizens, now dependent on government services, no longer have the incentive to restrain the growth of government?»
perguntou-se o congressista Jim DeMint. [*]
«A democracy cannot exist as a permanent form of government. It can only exist until the voters discover that they can vote themselves money from the public treasury. From that moment on, the majority always votes for the candidates promising the most money from the public treasury, with the result that a democracy always collapses over loose fiscal policy followed by a dictatorship.»
tinha respondido 200 anos antes o Professor Alexander Tyler. [*]
[*] citados por Patrick J. Buchanan - «The Engines of Government's Growth»

«Temos a solução, o país não precisa de se alarmar»
disse o primeiro-ministro na conferência de imprensa de ontem à tarde a propósito da não aceitação pelo Eurostat da operação de cosmética para chutar para a frente o défice do orçamento da vaca marsupial pública.

Eu não estou alarmado. Se tem solução não chega a ser problema e se não tem solução já não é problema.

Sem comentários: