Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/11/2006

SERVIÇO PÚBLICO: os anacletos têm má reputação - nem sempre merecida

«Gaioso Ribeiro está a ser 'apagado' do PS-Lisboa. Depois de ter chamado a atenção para as 'baldas' de Carrilho nas reuniões da Câmara, o vereador perdeu a confiança política do partido. Nesta semana, perdeu também o seu gabinete, nas instalações da artarquia, e foi eliminado do site dos vereadores socialistas. Na Câmara, há quem veja na atitude um comportamento digno de trostkistas» (do Cocktail do Sol)

Revelando um grande ignorância da história do comunismo, o jornalista atribui aos trostkistas um comportamento do qual, de facto, eles foram vítimas às mãos dos estalinistas (*). Encarcerar, fuzilar e apagar os trotskistas das fotos, eliminar os seus nomes dos livros de história e mandar Ramón Mercader enfiar o picador de gelo no crânio do padroeiro Leon Trotsky, tudo fizeram os estalinistas para erradicar a praga dos anacletos.

Pelo lado dos filhos do estalinismo o juízo não é mais benigno. A propósito a conferência anual do movimento comunista, The Economist citando os camaradas escreveu: «But on another point, most communists are clear; they eschew any alliance with jihadism or Islamic fundamentalism. Such opportunism, says one true believer disdainfully, is only for Trotskyists» (Comrades, come rally).

(*) Poderia ter sido ao contrário, não fosse a proactividade do camarada Estaline.

Sem comentários: